Daechu 대추

A jujuba, ou daechu 대추, é uma fruta pequena, crocante e doce, que cresce tanto no campo quanto na cidade, ao lado de calçadas e entre os prédios mais antigos. Pode ser amplamente utilizada na culinária em pratos salgados ou sobremesas, como também para fins medicinais.

A jujuba começou a ser cultivada na China há pelo menos 4.000 anos e não há registros sobre a sua origem na Coreia. Alguns documentos apresentam indícios de colheitas na Era da Dinastia Goryeo.

Existem centenas de variedades de daechu 대추 em todo o mundo e, desde os anos 70, algumas espécies permaneceram sendo cultivadas na Coreia. Em geral, se você for ao mercado em Seul entre setembro e outubro, você encontrará dois tipos de jujubas, uma menor, lembrando muito uma azeitona fresca; e uma grande, bem popular hoje em dia, em forma de ovo chamada sagwa daechu 사과대추 (jujuba de maçã). As jujubas menores são mais comuns e muitas pessoas cultivam em casa.

No final do verão, as jujubas verdes se aglomeram como azeitonas nos galhos finos e lentamente ganham tom marrom-avermelhado com manchas irregulares. A carne da fruta fresca lembra a textura das maçãs, com um leve adocicado. É preciso tomar cuidado com o caroço, pois ele possui duas extremidades que podem machucar.

As jujubas são amplamente usadas ​​como Hanyak 한약 (medicina tradicional coreana), por serem consideradas um alimento rico em energia. Você pode fazer seu próprio “remédio” de daechu 대추 em casa com 3 pedaços de gengibre e 2 pedaços de jujuba. Essa combinação também é conhecida como Gang Sam Jo I 강삼조이.

A jujuba é uma parte essencial da cultura alimentar coreana. Você vai encontrá-la durante todo o ano em sua forma seca. À medida que a fruta seca, sua cor muda para um  vermelho mogno, que é bastante valorizado no charye Sang 차례상 (mesa usada nos rituais para os ancestrais), pois acredita-se que a cor vermelha afasta os maus espíritos. Também é usada no Pyebaek 폐백 (cerimônia em que os recém-casados ​​prestam homenagem aos sogros). No final da cerimônia, os pais jogam um punhado de jujubas e castanhas para a noiva, e contam quantas ela consegue pegar em sua saia – as jujubas representam futuros filhos e as castanhas, futuras filhas. A jujuba simboliza os meninos por dois motivos: primeiro, porque possui uma semente e segundo, porque o termo daechu 대추 em chinês, é representado por “jo” (조), um homófono do caractere chinês para “filho”.

Na hora de escolher as jujubas no mercado, dê preferência para aquelas com rugas uniformes e com uma cor avermelhada não muito escura. Na culinária, você vai encontrar as jujubas secas no Samgyetang 삼계탕, no Yakbap 약밥 , enroladinho junto com o Tteok ou em casas de chá. Elas podem ser armazenadas congeladas ou na geladeira por até uma semana.

A jujuba também possui diversas propriedades que ajudam na melhora da qualidade de vida das pessoas, como por exemplo:

  • antioxidante;
  • calmante;
  • rica em ferro, fosforo, cálcio, proteína, fibra, vitamina C, vitamina A;
  • baixo nível de caloria.

Apresenta também melhora nos seguintes quesitos:

  • Qualidade do sono;
  • Regula a circulação;
  • Fortalece os ossos;
  • Ajuda no controle de peso;
  • Aumenta imunidade;
  • Reduz o estresse;
  • Ajuda na prevenção do câncer;
  • Ajuda com os cuidados da pele;
  • Auxilia na digestão;
  • Desintoxica o sangue.

Foto capa: @bookscookskorea

Fonte: Bburikitchen

Deixe um comentário