Pojang Macha 포장 마차

Caminhando pelas vielas coreanas, as pequenas tendas coloridas reservam uma experiência tão cotidiana quanto única. Ali, pessoas se acolhem após um dia cansativo de trabalho ou de uma noite fria, compartilhando o melhor da comida de rua a preços acessíveis e muita bebida. Conhecidas como pojangmachas 포장 마차 , estas tendas não são caracterizadas como simples barracas ou lanchonetes de rua. Acima de tudo, são como um recanto de memórias para muitos de seus frequentadores.

POJANGS AO LONGO DA HISTÓRIA

Apesar da origem das pojangmachas poder estar ligada a Dinastia Joseon, onde barracas de comida movidas à cavalo, circulavam pela cidade, o conceito que hoje as pessoas conhecem possui uma história relativamente recente, que data dos anos 50 e 60, possivelmente influenciado pelas yatai (tendas japonesas).

Esse conceito, que esteve principalmente ligado a uma tradição de serviços direcionados a atender a classe trabalhadora, reverberou posteriormente no crescimento de uma leva de vendedores ambulantes que trabalhavam com bebidas (soju) e petiscos.

Em 1950, aos arredores do Cheonggyecheon, surgiram as primeiras pojangs, que eram montadas em carrinhos e vendiam lanches. Alguns anos depois, os carrinhos foram repaginados, sendo cobertos por lonas, oferecendo um ambiente com assentos e a ampliação das opções de comida. Em 1970, a maioria das pojangs, já dispunha de cardápios e servia bem as necessidades do estilo palli palli 빨리 빨리 de seus clientes. O menu de anju por exemplo, foi expandido, incluindo pés de frango, peixe grelhado e macarrão. Além de bebidas como o makgeolli e a cerveja, para acompanhar. Nos anos 2000, elas passaram por uma grande mudança. Seja na estrutura, na extensão dos cardápios, nas especialidades, nos preços e principalmente no que se refere a regulamentação.

PRATOS

Apesar das pojangmachas terem se adaptado conforme os anos, alguns pratos podem ser tradicionalmente encontrados. Como o Dalkbal 닭발 – Pé de galinha, Kkomjangeo 꼼장어 – Enguia de limo, Twigim 튀김 –  Empanados de vegetais e variações, Ojingeo Hoe 오징어 회 e  Hanchi Hoe 한치회 – Lula crua, Tteokbokki 떡볶이 – Bolo de arroz ao molho picante, Odeng 오뎅 – Bolo de peixe, Sundae 순대 – Salsicha de miúdos e Gyeranmari 계란말이 – Rolinho de ovo.

Por outro lado, as novas pojangs, conhecidas como Hanshin Pojang e Indoor Pojang 실내 포장 마차, adaptaram não só seus estabelecimentos e a linha de serviço, como também seu cardápio.  Incluindo pratos e lanches como o Manduki Hatdogi 만득이 핫도그 – Cachorro quente empanado no palito, Hoeori Gamja 회오리 감자 – Batata tornado e a versão com salsicha.

REGULAMENTAÇÃO

Com o desenvolvimento tecnológico e o redesenvolvimento urbano, não só a dinâmica comercial mudou, como também os padrões de consumo da população. E assim, a extinção de bairros mais antigos e negócios locais foi se tornando cada vez mais presente.

Como não havia até recentemente uma regulamentação que previsse o licenciamento para instalação desses comércios nas ruas, e o índice de evasão fiscal se tornava cada vez mais alarmante, o governo passou a traçar um plano para solucionar a questão. Entretanto,  se por um lado, se objetivava criar um regulamento desses negócios, propiciando assim, uma melhor estrutura e fiscalização das condições sanitárias e laborais, por outro, representava um projeto de higienização social, que expulsava do circuito urbano e comercial, toda uma população majoritariamente idosa que conduzia as pojangs. Reverberando também na sua única fonte de renda e possivelmente uma das únicas relações sociais ainda mantidas por essa população.

Fonte de imagem:  Hankook Ilbo
Fontes: Korea Exposé, 10Mag e Korea Herald

Deixe um comentário