Algas marinhas

As algas marinhas são umas das maravilhas da natureza e uma das plantas mais densas do planeta em termos de nutrição. Enquanto os países asiáticos sempre tiveram em sua alimentação diária, a presença das algas, a demanda ocidental pelo produto é impulsionada pelo fator novidade e a reputação das algas como um “super alimento”.

Quando a descrição dos ingredientes de um prato desconhecido no cardápio se limita a “algas marinhas”, fica difícil de imaginar de qual delas se trata. Então, apresentamos nesta matéria alguns dos tipos mais populares.

As algas marinhas podem ser classificadas como algas vermelhas (Kim 김), verdes (Parae kim 파래 김) ou marrons (Miyeok 미역, Dashima 다시마, Tot 톳). São ricas em iodo, ferro, vitamina C (que ajuda na absorção de ferro), antioxidantes, fibras solúveis e insolúveis, vitamina K, vitamina B12 e uma variedade de outros nutrientes importantes para a saúde humana.

Esses “legumes marinhos” estão cheios de nutrientes e são ricos em cores, texturas, formas e tamanhos. Os países que têm seu consumo inserido na cultura alimentar, consequentemente possuem uma das maiores expectativas de vida do mundo. Isso se deve, segundo estudos, à existência de uma corrente de moléculas chamada Fucoidan, que seria responsável por diversos benefícios para a saúde, contribuindo não apenas para a expectativa de vida geral, mas também na imunidade, função cardiovascular e na prevenção de doenças. Uma revisão de 2011 de 100 estudos sobre os benefícios das algas, publicada no American Journal of Agricultural and Food Chemistry, relatou que as algas marinhas podem ser usadas para ajudar a baixar a pressão sanguínea e promover a saúde do coração.

Outros benefícios

  • Fonte de cálcio: elas podem conter até 10 vezes mais cálcio do que o leite e 8 vezes mais do que a carne bovina.
  • Alcalinizantes: ajudam a alcalinizar o nosso sangue, neutralizando os efeitos super-ácidos da nossa dieta moderna, protegendo o estômago contra gastrite e úlceras gástricas.
  • Propriedades Quelantes*: Oferecem proteção contra uma ampla gama de toxinas ambientais, incluindo metais pesados, poluentes e subprodutos da radiação, convertendo-os em sais inofensivos que o corpo pode eliminar facilmente. * Não se aplica a todas as espécies.
  • Propriedade anti-oxidante: as algas contêm lignanas, compostos químicos que ocorrem naturalmente e que possuem propriedades anti-cancerígenas.
  • Limpam e desintoxicam o organismo e o sangue, devido a ação das vitaminas, sais minerais e aminoácidos.
  • Fósforo e do cálcio: melhoram as funções cerebrais e físicas, como por exemplo o fortalecimento do couro cabeludo, reduzindo a queda do cabelo.
  • Sais minerais e colágenos: ajuda a combater celulite, varizes, reduzir a flacidez da pele e as rugas precoces.
  • Perda de peso: as algas desempenham um papel na perda de peso e na inibição da acumulação de celulite. Sua concentração naturalmente alta de iodo, ajuda a estimular a glândula tireoide, que é responsável por manter um metabolismo saudável. Ao mesmo tempo, seus minerais atuam como eletrólitos para romper as ligações químicas que selam as células de gordura, permitindo que os resíduos aprisionados escapem.

Variedades

Tot 톳

Conhecida no Brasil como Hijiki e também (pouco) conhecida na Coreia como nokmichae 녹미채. Essa alga contém fibra dietética e minerais como ferro, cálcio e magnésio. A fibra alimentar é boa para o intestino e o ferro ajuda a prevenir a anemia. A cor dela varia entre verde e marrom quando encontrada na natureza. O pescador ou mergulhador profissional colhe o tot durante o período de maré baixa entre março a maio. Após a coleta, a alga é fervida e depois seca para ser vendida.

Para qualquer prato que você quiser fazer, comece com o enxágue em água fria para remover a sujeira. Branqueie a alga em água fervente com um pouco de sal. O tot ficará verde brilhante assim que você colocá-los na água quente. Após 30 segundos ou menos, quando todos estiverem verdes, retire da água fervendo e enxágue em água fria. Esprema o excesso de água. Na Coreia normalmente o tot acompanha arroz ou é servido como namul ou outros tipos de banchan. kit-insumos-de-sushi-en-casa-D_NQ_NP_745021-MLC20698748364_052016-F

Kim 김 

Kim é a alga mais popular na Coreia. Crocante e saborosa, muitas vezes é vista sendo polvilhada sobre uma variedade de pratos, adicionando seu próprio sabor e textura.

Produzida a partir do final de dezembro à meados de abril, sendo seu melhor momento, no sabor e nutrição, no inverno. O kim é mais fino e mais brilhante que o nori e está se tornando popular em todo o mundo por seu aroma, textura e sabor único.  Seu valor nutricional promoveu a reputação internacional das algas como parte de uma dieta alimentar, uma vez que vários países ocidentais começaram a comercializá-la como alimento saudável. A sua exportação vem aumentando constantemente nos últimos anos, juntando-se à lista de itens coreanos (como ginseng e kimchi) que se tornaram muito populares internacionalmente. É uma importante fonte de proteína e possui oito aminoácidos essenciais. Nele também encontramos a taurina, uma substância que ajuda a prevenir a hipertensão e a arteriosclerose, além de ajudar a aliviar a ressaca.

Tipos de Kim 김

Existem mais de 200 tipos de kim na Coreia, mas apenas quatro tipos principais podem ser encontrados com facilidade dos mercados coreanos:

  • Dol kim 돌김: textura áspera, irregular e intensa no sabor.
  • Jaerae kim 재래김: Mais comumente consumida, avermelhada com folhas finas, textura mais suave e com coloração mais clara.
  • Parae kim 파래김: mais aromatizada e de textura suave, é uma mistura entre vários tipos de kim. É relativamente mais barata em comparação com os dois primeiros tipos apresentados. Quando torrada apresenta um sabor único.
  • Kimbap kim 김밥김: com folhas longas e várias camadas, que ajudam a manter a estrutura do kimbap.
_(6)

Miyeok 미역

Miyeok é amplamente apreciada pelos coreanos em sopas, saladas, acompanhamentos, panquecas etc. Sendo consumida desde a dinastia Goryeo (936 -1392 dC). Naquela época, ao observar as baleias comendo miyeok depois de dar à luz, as mulheres coreanas passaram a comer Miyeokguk (sopa de algas marinhas) após o parto. É também tradicionalmente consumida em aniversários, como um lembrete do primeiro alimento que a mãe comeu e transmitiu ao seu recém-nascido através do leite. Por ser tão valioso, os reis na dinastia Joseon (1392-1897), a davam como recompensa para seus oficiais mais leais.

32_shop1_891229

Dashima 다시마

Dashima é a alga mais comum encontrada ao longo das margens do oceano. Uma fonte natural do umami, é o ingrediente principal do caldo dashi 다시 ou yuksu 육수, que é usado para dar aos caldos o quinto sabor da culinária asiática. Dashima em pó é um substituto natural do realçador de sabor artificial MSG (glutamato monossódico).

Ele é encontrado seco, em pedaços longos e com um pó branco sobre ele. Esse pó é um dos realçadores do sabor natural dessa alga, por isso não se deve lavar. Delicadamente, limpe com um pano levemente umedecido para remover qualquer areia ou cascalho.

A melhor forma de armazenamento das algas secas é guardar em local fresco e seco.

Cuidados

Se você é cauteloso com corantes alimentícios, evite as saladas de algas verde brilhante, servida em restaurantes asiáticos. Petiscos embalados de algas marinhas normalmente recebem uma adição a mais de sódio em alimentos que já são  naturalmente salgados, por isso procure variedades levemente salgadas. E se você tiver problemas digestivos, evite produtos como sorvetes e iogurtes que incluam carragena na lista de ingredientes. A carragena é extraída do chondrus crispus, também conhecida como musgo irlandês. Por ter uma origem natural é erroneamente classificada como um alimento saudável, uma vez que seu valor nutricional é insignificativo. A carragena é frequentemente usada para engrossar leites vegetais, além de alimentos com baixo teor de gordura ou gordura zero. A goma carragenina é um estabilizante alimentar altamente processado que infelizmente está associado à inflamação no intestino.

A alta concentração de certos nutrientes pode ser nocivo para a saúde, como por exemplo, o consumo excessivo de vitamina K, que pode interferir com medicamentos para afinar o sangue. Certas algas marinhas têm alto teor de potássio, o que pode causar complicação as pessoas com problemas renais. Embora a concentração de iodo o torne especialmente benéfico para a saúde da tireoide, consumir muito iodo pode ter o efeito oposto. Se estiver a tomar algum dos medicamentos acima mencionados, tiver uma condição médica relevante ou tiver alguma preocupação, consulte um médico antes de começar ou aumentar o consumo de algas na sua alimentação.

Suplementos de algas marinhas podem ser úteis para pacientes com condições específicas de saúde, ou para aqueles que estão sob quimioterapia, mas é altamente recomendo que não sejam tomados sem a orientação de um profissional de saúde. Algumas algas marinhas são ricas em vitamina K, o que pode interferir com medicamentos que afinam o sangue, como anteriormente mencionado. Algumas espécies possuem altos níveis de potássio, que podem causar náusea e fraqueza em pacientes com problemas renais, já que seus rins não conseguem mais remover o excesso de potássio do corpo.

Algas marinhas absorvem minerais essenciais como uma esponja. Mas dependendo de onde eles são cultivados, eles também podem absorver toxinas ambientais e metais pesados. Autoridades de saúde alertaram contra o uso de Tot 톳, uma alga que absorve níveis perigosos de arsênico. As empresas de algas marinhas com certificação orgânica são mais propensas a colher algas marinhas em áreas costeiras protegidas, longe de canais pesados ​​de navegação e locais de disposição de detritos.

Ao procurar ou comprar algas marinhas, escolha marcas orgânicas certificadas sempre que possível. As algas absorvem as propriedades da água em que são cultivadas, portanto, é imprescindível garantir que elas tenham sido cultivadas e colhidas em águas não poluídas e livres de substâncias químicas nocivas.

Fonte imagem: tastecooking.com

Fonte: bbcgoodfood.com, shinshine.comWikipediaacs.orgtheglobeandmail.comfoodmatters.com e tastecooking.com

Deixe um comentário